quarta-feira, 5 de agosto de 2009

O CÂNCER COMO UMA OPORTUNIDADE DE TRANSFORMAÇÃO E RENASCIMENTO:

Foto: Nascer do sol no Alasca - Fonte: Internet
Fiz ontem mais uma sessão de quimioterapia, aquela que me deixa alguns dias fora do ar... mas antes que o desânimo abata temporariamente a minha vontade, sinto o impulso, que vem crescendo há alguns dias, de falar um pouco sobre o câncer, sobre a minha experiência nestes anos de convívio com esta realidade.

Andei com curiosidade de ter uma idéia do número de sessões de quimio as quais já me submeti desde a 2a fase do meu tratamento, reiniciado em maio de 2004 por ocasião da recidiva da doença.
Por alto, se não cheguei ao número 100, estou quase lá.

Falar que este tempo foi fácil, que tirei de letra sem dores emocionais profundas seria forjar a minha imagem perante mim mesma e perante o mundo.
Elas existiram e existem, mas se por um lado são dores, por outro lado são fortificantes para a minha alma, são estímulos à superação, à transformação, à perseverança, à reflexões que podem e devem movimentar-nos sempre para um sentido maior de nossa existência.
Diante de toda experiência por mim vivida neste campo, posso dizer para vocês com segurança, que o câncer não deve, não pode ser visto como um Fim, mas como uma oportunidade de RECOMEÇO, uma oportunidade LIBERTADORA, de REFORMULAÇÃO de valores, de TRANSFORMAÇÃO, de RENASCIMENTO.
Não importa por quanto tempo permaneceremos aqui na Terra, curados ou não, (em realidade, isto é uma incógnita para todos!), o que importa é fazermos deste tempo um tempo de mudanças em tudo aquilo que postergamos, às vêzes, ao longo dos anos em que nos considerávamos saudáveis (o corpo podia até ser, mas seríamos saudáveis em alma, na condução de nossas vidas? Éramos fiéis ao nosso coração, de onde acredito emanar a verdade de nós mesmos?).

E para que tudo isso seja possível não podemos deixar nos abater pela auto-piedade, pela postura de vítima da vida ou de qualquer outra situação, ou seja, a não aceitação da doença vista como uma injustiça para conosco acredito ser o pior caminho, mas aceitá-la como algo que está acontecendo com uma finalidade específica, e que esta finalidade - como devemos olhar sempre as duas fazes da moeda - é de nos colocar em reflexão e acima de tudo em AÇÃO para obtermos a cura que tanto desejamos, em todos os níveis possíveis - e isto depende, vai muito além da ação dos recursos de tratamento que dispomos em nossa medicina, que tem seu papel de incontestável importância - mas depende igualmente de nossa postura diante da nova realidade, das limitações que a presença da doença temporariamente nos impõe.

É comprovado pela ciência que nosso sistema imunológico - fundamental para a saúde e cura - é diretamente influenciado por nosso estado emocional.
Alegria, confiança, fé, esperança, amor, perdão, solidariedade, e todos as emoções afins são miraculosos remédios naturais que estimulam, pela liberação de uma química específica em nosso corpo, o trabalho deste exército de células que lutam pela preservação e equilíbrio da nossa saúde.

Contrariamente, a tristeza, desânimo, depressão, desesperança, falta de fé em algo que nos sustente a alma, o desamor, o rancor, a raiva, o pensamento voltado só para si mesmo, para os seus problemas como os mais dolorosos e graves do planeta, se fechando para o sofrimento alheio muita das vêzes infinitamente maior que o nosso, são emoções que deprimem a liberação destas substâncias e consequentemte prejudicam o funcionamento deste exército celular que acaba por perder batalhas que seriam vencidas caso estivesse adequedamente estimulado pelas substâncias cuja liberação estão diretamente submetidas ao nosso estado de ânimo de viver e aos sentimentos com os quais nutrimos a nossa vida interior.

Não quero dar a impressão que todo este processo é fácil, que não requer esforço, principalmente no início do convívio com uma nova e dolorosa realidade.

Mas é preciso lutar contra os sentimentos, as emoções que sabemos atuar contrariamente ao que mais desejamos: o bem estar, a cura, a vida.

Há inevitavelmente momentos de desalento, de desânimo de medos, inseguranças, durante este caminho, porque a presença do câncer nos coloca de modo objetivo, concreto, de frente para uma situação que no fundo todos nós, todos os seres humanos vivem diariamente: a incerteza do amanhã, a constatação de nossa transitória presença neste mundo; de que não temos o controle da vida sob muitos aspectos, e o que mais nos aterroriza: a falta de controle sobre o fato de que iremos partir deste plano, de que iremos morrer - aliás única certeza que carregamos em nós desde o nosso nascimento.
Mas estas emocões, que não podem ser negadas por serem inerentes à nossa condição humana, devem ter um tempo mínimo para as colocarmos para fora e deixá-las serem aos poucos substituídas pelas que podem nos ajudar a vencer o desafio de superação que o câncer representa.

Para isso, a certeza de que é importante que nos ajudemos neste processo de superação, de cura, deve estar em mente por todo o tempo.
É respirar fundo, olhar em frente para onde se veja a Luz, confiar na vida e reerguer-se diante da dor.

Nào quero me tornar repetitiva, por isso espero ter conseguido passar, compartilhar com vocês o que sinto, o que vivo neste anos de tratamento.

Por minhas palavras, não quero que pensem que sou mais forte do que ninguém, muito pelo contrário, tenho momentos de grande fraqueza, de temores e instabilidade emocional onde preciso contar com a presença e ajuda indispensáveis daqueles que me são caros, sejam familiares, amigos, médicos e equipe que cuidam do nosso corpo, médicos e equipe que cuidam da nossa alma e ainda outras tantas fontes de ajuda que a vida nos dispõe.

O importante é não nos sentirmos acolhidos pelos momentos de desespero. É nos deixarmos movimentar novamente pela esperança do novo dia, do novo amanhã com as suas infinitas possibilidades... é aceitarmos o momento que estamos vivendo com a certeza de que ele também passará e de que ele nos abre uma série de oportunidades de crescimento e transformações, motivo pelo qual eu pessoamente acredito estarmos de passagem por este planeta.

Vamos então internalizar e agir cada vez mais motivados pelas palavras que estão gravadas nos cartões da clínica oncológica onde me trato:

"NOSSA LUTA É PELA VIDA " .

Um beijo carinhoso em seus corações, Claudia

3 comentários:

  1. Querida Claudia, achei seu blog no google
    Parabéns pelo seu empenho neste site lindo, com mensagens adoraveis.
    Que a Chama Violeta esteja constantemente transmutando tuas celulas e seu corpo, inovando milagrosamente todos seus orgãos.
    Com Muito Amor. Milka Santos

    ResponderExcluir
  2. hola! Eu realmente gostei deste blog

    ResponderExcluir
  3. In truth that cancer is a very bad ... the stories about this should be an example of overcoming all of us!
    buy cialis and feel the pleaser

    ResponderExcluir